Como um ambiente de Start-Up acelera o mindset da Anti Fragilidade

Complexo né? Primeiro que eu comecei o título desse artigo trazendo 3 conceitos diferentes, e que aqui são complementares. Mas vou falar sobre isso mais pra frente, antes vamos reforçar cada um deles. Segundo que, vale reforçar aqui também, que tudo que eu falar é fruto da minha vivência pessoal como líder de marketing em uma Startup.

Mas vamos ao que interessa…Você provavelmente ouviu falar da Antifragilidade, certo? Você se surpreenderia com o volume de pessoas que confunde com Resiliência, na verdade, eles são até que similares. Já para quem não está familiarizado, ela aponta a característica que indivíduos possuem, e podem desenvolver, de passar por um momento de adversidade e sair dele modificado, na maioria das vezes para melhor.

Para se aprofundar nesse assunto:

Anti-frágil: Coisas que se beneficiam com o caos, de Nassim Nicholas Taleb.


O que tem direta relação com o conceito de Mindset, que também é comum, porém pouco compreendido. Ninguém nunca disse que mudar uma linha de pensamento é um ato isolado, que acontece a partir de um comando só, mas a maioria das pessoas acha que é questão de uma virada de chave. Na verdade, ele é o ato de forçar seu cérebro a colocar as coisas em uma nova perspectiva, e essa perspectiva precisa ser desenvolvida ao longo de tempo, de momentos ativos e presentes, consecutivos.


Para se aprofundar nesse assunto:

Mindset: Carol Dweck

E por último, Start-Up, que talvez seja o mais comum de todos, e que pasme, não tem definição exata. Pois bem, é uma empresa com uma solução escalável, que usa da tecnologia para testar, valida e escalar soluções que mudam a forma como as pessoas interagem com determinado produto e/ou serviço.
Agora eu vou conectar tudo isso.

Em um ambiente de Start Up, e aqui eu arrisco dizer que toda empresa deveria ter essa mesma característica, a Antifragilidade é uma habilidade que não só é colocada a prova, como é chave fundamental para o sucesso de qualquer líder. Eu ouvi de um Sócio Fundador de uma das startups mais promissoras do segmento de consumo saudável que: “a mudança é uma constante”.

Fica nítido que para qualquer profissional, é necessário entender que as coisas nunca vão voltar ao que eram, e que toda nova empreitada é uma mudança definitiva, e que ela vai mudar de novo. Maluco, não é?

Eu poderia avançar esse texto divagando sobre a Pós Modernidade Gasosa, e como a relação de consumo e de marcas tem mudado mais drasticamente do que os nossos olhos conseguem acompanhar, mas esse tópico fica para outro post. O ponto aqui é: você precisa desvendar seu olhar de líder levando em consideração alguns pontos importantes, que você pode se responder.

“4 dicas de chave:”

1 – Todas as mudanças em uma empresa ágil, são processos de evolução, validação e adaptação de oportunidades. Aqui você pode usar a seu favor a disponibilidade de dados que o marketing digital traz para se manter em constante mudança.
Pergunta: Eu estou usando essa situação para extrair o maior volume de dados possível e aprender com ela?

2 – Não resistir a uma mudança é quase que básico, mas o diferencial é aprender e evoluir com ela. Estar preparado para buscar um aprendizado, não importa o quão resistente isso possa parecer para você.
Pergunta: O que eu estou aprendendo com essa situação, e que posso usar para melhorar ou entregar maiores resultados?

3 – Não esperar que as coisas “voltem ao normal” e desapegar da memória passada.
Pergunta: Que oportunidades eu perdi ao esperar que essa situação voltasse ao que era antes?

4 – Vivenciar a mudança como uma oportunidade constante.
Pergunta: O que eu consigo extrair como melhor prática para determinada área.

5 – Bônus: Toda semana, antes de fechar seu computador, pare, respire, pense e se faça essas mesmas perguntas. Acredite, a cada semana uma resposta nova vai aparecer.

Durante a pandemia, liderando uma área de Marketing ágil, eficiente e eficaz, tive a certeza absoluta que pelo simples fato de termos o mindset da antifragilidade, saímos maiores, melhores e mais fortes. Por isso vim aqui, dividir um pouco de conhecimento sobre como essas pequenas atitudes podem fazer parte da sua liderança.

Me conta depois como foi?

Artigos relacionados